Cadastrar
Esqueci minha senha
Usuário: Senha:
Logar
Você pode utilizar nossa busca por palavra chave ou utilizar os critérios ao lado para obter uma listagem.

Buscar
Buscar
Selecione o Estado Categoria


GASTRONOMIAHOSPEDAGEMINFORMAÇÕES ÚTEIS
Selecione a Cidade Sub-Categoria


Destaques

Em Breve!

Newsletter





Aniversário da cidade de Nova Friburgo, Rio de Janeiro

Nova Friburgo é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Localiza-se no centro-norte do estado, na Mesorregião do Centro Fluminense, a 22º1655 de latitude sul e 42º3152 de longitude oeste, a uma altitude média de 985 metros,[6] distando 136 km da capital fluminense. Ocupa uma área de 933,414 km². Compreende os distritos de Riograndina, Campo do Coelho, Amparo, Lumiar, Conselheiro Paulino, São Pedro da Serra e Mury.

A sua população, no dia 1 de agosto de 2010, de acordo com o censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, era de 182.082 habitantes. As principais atividades econômicas são baseadas em: indústria metalúrgica, moda íntima, olericultura, caprinocultura e indústria (têxteis, vestuário, e turismo). É também a cidade mais fria do estado.

História

Até 1755, a região da atual Nova Friburgo era habitada por índios goitacases e puris[7][8] e portugueses. Em 16 de maio de 1818, o Rei Dom João VI, sentindo a necessidade de estreitar os laços de amizades com os povos germânicos a fim de obter apoio contra o Império Francês, propôs uma colonização planejada, a fim de promover e dilatar a civilização do Reino do Brasil. Baixou, então, um decreto que autorizou o agente do Cantão de Fribourg, na Suíça, Sebastien Nicolas Gachet, a estabelecer uma colônia de cem famílias suíças na Fazenda do Morro Queimado, no Distrito de Cantagalo, localidade de clima e características naturais semelhantes às de seu país de origem. Entre 1819 e 1820, a região foi colonizada por 265 famílias suíças, totalizando 1 458 imigrantes. Foi batizada pelos suíços com o nome de Nova Friburgo, em homenagem à cidade de onde partiu a maioria das famílias, Fribourg (Friburgo em português, Fribourg em francês, Freiburg em alemão, idioma em que foi criado o nome da cidade a partir das palavras frei - livre e burg - castelo/forte), no Cantão de Fribourg. Foi, também, o primeiro município no Brasil colonizado por alemães, tendo estes imigrantes, ao todo 456, chegado à cidade em 3 de maio de 1824,[9] três meses antes que imigrantes alemães chegassem à cidade de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul. Nova Friburgo foi a primeira colônia não lusitana a ser fundada no Brasil em caráter oficial.[10]

Foi nomeado inspetor da projetada colônia o monsenhor Pedro Machado de Miranda Malheiros, que, de imediato, tratou da aquisição dos terrenos necessários à dita empresa; adquiriu duas datas de terra com meia légua de testada cada uma, pertencentes a Manuel de Sousa Barros e a José Antônio Ferreira Guimarães, e também a sesmaria chamada Morro Queimado, que pertencera a Lourenço Correia Dias, na qual, mercê de seu clima ameno e da sua situação topográfica, foi instalada a sede da colônia que tomou o nome de Nova Friburgo, seus limites eram Santo Antonio de SáCachoeiras de Macacu, Magé, Paraíba do Sul, Minas Geraistrecho onde hoje localiza se a cidade de Além Paraíba, Cantagalo, Macaé e Cabo Frioonde localiza se nos dias atuais o município de Silva Jardim.

Entre 1819 e 1820, chegavam a Nova Friburgo 261 famílias de colonos suíços, 161 a mais do que havia sido combinado nos contratos, formando-se assim o núcleo inicial da povoação. Sabendo o quão promissora era a cooperação desses estrangeiros para com a nova pátria, o Governo Real subscreveu, a 3 de janeiro de 1820, um alvará elevando Nova Friburgo à categoria de vila, desmembrando, para isso, suas terras das de Cantagalo. A instalação da vila deu-se a 17 de abril desse mesmo ano.
Nova Friburgo durante sua colonização suíça e alemã, 1820-1830.

Após a proclamação da Independência do Brasil (1822), o Governo Imperial enviou o major George Antônio Scheffer à Alemanha a fim de ali contratar a vinda de imigrantes para as colônias de Leopoldina e Frankenthal estabelecidas na então Província da Bahia desde 1816, às margens dos rios Caravelas e Viçosa. Por motivos ignorados esses colonos acabaram sendo enviados a Nova Friburgo, onde chegaram a 3 e 4 de maio de 1824; eram oitenta famílias - encabeçadas pelo pastor Frederico Sauerbronn - que foram recebidas por Monsenhor Miranda, então readmitido no cargo de inspetor, do qual se exonerara. Esse sistema especial de administração da colônia por intermédio de um Inspetor designado pelo Governo Imperial vigorou até 1831; a partir desse ano a jurisdição passou a ser superintendida pela Câmara da Freguesia, a exemplo das outras vilas brasileiras.

Finalmente, a 8 de janeiro de 1890, Nova Friburgo foi elevada à categoria de cidade, tendo sua população aumentado com a chegada de imigrantes italianos, portugueses e sírios. Em 1872, o Barão de Nova Friburgo trouxe, até a região, os trilhos da Estrada de Ferro Leopoldina a fim de escoar a sua produção de café proveniente de Cantagalo que durante um longo período era a maior do gênero no mundo levando em consideração a proporção por município correspondendo a média de 70% do território. A partir de 1910, Nova Friburgo, que, até então, devia o seu progresso ao desenvolvimento da agricultura e ao seu clima seco ideal para município de veraneio, viu chegar vários cidadãos de iniciativa, tais como Conselheiros Julius Arp, Maximilian Falck e William Peacock Denis, que foram os pioneiros da era industrial friburguense. A estes, se juntaram outros elementos de valor, provocando o surto de progresso verificado até meados da década de 1980. Os investimentos por conta da industrialização da região serrana pararam a medida que o grande negócio passou a ser a extração de petróleo em Campos dos Goytacazes, o Grande parque industrial não saiu dos papéis, a ideia de tornar Nova Friburgo um polo regional com rodovias de proporções e infraestruturada para absorver o desenvolvimento a melhoria dos meios de comunicação com as cidades do Rio de Janeiro e Niterói demoraram anos, a indústria de turismo incorporou-se às demais fontes de renda da municipalidade. Paralelamente, manteve-se o comércio local, uma das fontes de renda da comunidade. A ferrovia foi desativada no final da década de 1960. Porém, existe uma indicação legislativa de autoria do deputado Rogério Cabral (Partido Socialista Brasileiro), em trâmite desde 2007, para trazer de volta essa modalidade de transporte, que ligaria as cidades de Nova Friburgo e Cachoeiras de Macacu, com fins turísticos.

Turismo
Parque Estadual dos Três Picos

Alguns distritos do município de Friburgo, como Lumiar e São Pedro da Serra, têm paisagens naturais famosas. Nova Friburgo possui a maior rede hoteleira do interior do estado do Rio de Janeiro.[28] É considerada a Capital nacional da lingerie, pois abriga fábricas dos mais variados portes. As peças podem ser encontradas em diversas lojas e shoppings espalhados pela cidade. No entanto, o turismo em busca de compras fica mais concentrado no bairro de Olaria e na Ponte da Saudade.[29]

A Prefeitura disponibiliza informações sobre turismo e lazer no Centro de Turismo, que fica na Praça Dermeval Barbosa Moreira, no centro da cidade.

Entre os atrativos turísticos do município, os mais conhecidos são:

Casa Suíça (Memorial da Colonização Suíça) e a Queijaria Escola FRIALP, situada na RJ-130.
Jardim do Nêgo, RJ-130.
Museu do Mel RJ-130.
Parque Estadual dos Três Picos Distrito de Campo do Coelho RJ-130.
Pico da Caledônia – é uma das maiores elevações da Serra do Mar. Com 2.257 metros de altitude.[30]
O maior e mais sofisticado Polo Gastronômico da região, localizado no bairro de Mury, com uma dezenas de restaurantes nas mais diversas especialidades, inclusive com Biergarten para degustação de cervejas no melhor estilo alemão.
A arquitetura no estilo alpino preservada nos prédios do MuryShopping, dos hoteis Bucsky e Garlipp e do Restaurante Bräun & Bräun.
Parque de Furnas do Catete – na RJ-116 onde se localiza a Pedra do Cão Sentado.

Teleférico do Suspiro

Praça do Suspiro – recanto onde se encontram o teleférico, a Igreja de Santo Antônio, Praça dos Trovadores, a Fonte dos Suspiros, o Tiro de Guerra, Teatro Municipal Laércio Ventura e a Praça das Colônias, construído em homenagem às dez colônias que formaram a população da cidade.[31]
Praça Getúlio Vargas
Praça Marcílio Dias – porta de entrada da cidade. É considerada o marco inicial da colonização, pois ali ficaram acampados os primeiros alemães, onde se ergueu em 3 de maio 1824 a primeira Igreja Luterana da América Latina. Dá nome ao bairro boêmio do Paissandu, o qual é um ponto comercial dotado de um entroncamento rodoviário que conduz à cidade do Rio de Janeiro e aos bairros de Olaria, Cônego e Cascatinha.
Parque São Clemente (Nova Friburgo Country Clube) – onde se localiza o Chalé do Barão de Nova Friburgo (1860).
Pavilhão das Artes – localizado no bairro do Cônego.
Catedral São João Batista – localizada na praça Demerval Barbosa Moreira, s/n, no Centro da Cidade.
Instituto Politécnico Campus Regional da UERJ (IPRJ)[32] – antigo Ginásio Nova Friburgo da Fundação Getúlio Vargas[33] está localizado no Parque Ambiental Luiz Simões Lopes, antigo Parque Cascata.


Fonte: Wikipédia


Selos

Turismo Agora - informações turisticas pelo fone: (53) 3228-3819.
Tire suas dúvidas rapidamente com nosso atendimento online 24 horas por dia.

Termos e condições de uso

Copyright © 2008 TRACKDATA